Artrite Reumatóide em Mãos e Pés

Última atualização: 08/06/2010

Mãos e pés são freqüentemente os primeiros locais que se comprometem na AR. Conforme a doença progride, podem desenvolver características de deformação e alteram a sua função. As radiografias de mãos e pés são muito úteis para o diagnóstico precoce e para determinar a progressão da doença. 

Mãos
A artrite reumatóide pode apresentar-se nas mãos como sinovite, tenossinovite, ou como uma síndrome de compressão do nervo mediano no túnel do carpo. Se observa atrofia muscular leve, edema com inflamação e aumento da vascularização. A palpação as áreas inflamadas são mais quentes. 

Sinovite: interfalangianas proximais ou metacarpofalangianas. Manifesta-se por edema destas articulações com perda da musculatura interóssea que se observa melhor no dorso da mão. Existe rigidez matinal, durante esse período é muito difícil a mobilização das mãos. 

Tenossinovite: com edema da bainha tendínea dorsal na parte posterior do pulso pelo por comprometimento das bainhas dos tendões extensores; tenossinovite dos flexores dos dedos, o que restringe o movimento, corresponde ao dedo em gatilho. 

Síndrome do túnel do carpo: provocado pela compressão do nervo mediano no pulso Os pacientes apresentam parestesia noturna (dormência) que afeta o polegar, indicador, dedo médio e metade do anular. 

Radiologia 
As características radiográficas precoces incluem nas áreas de sinovite, edema dos tecidos moles e osteoporose periarticular. O comprometimento radiográfico é simétrico e envolve as articulações metacarpofalangianas e interfalangianas. A osteoporose pode levar à perda de margem da articulação antes do aparecimento das erosões típicas na borda da mesma. 
Na AR estabelecida as mudanças estabelecidas são características. Existe osteoporose periarticular, erosões e perda do espaço articular, ainda pode ocorrer ruptura do tendão, com considerável perda de função. 

Pés 
O peito do pé pode ser o primeiro local a apresentar sintomas na AR. As articulações metatarsofalangianas têm geralmente as primeiras alterações radiográficas embora não apresentem sintomas específicos. Sintomas como dor, desconforto ao acordar de manhã, dor nos dedos do pé ao caminhar ou calzar sapatos podem apresentar-se. Isto é devido à sinovite na articulação metatarsofalangiana e as bursas entre os ossos. Ao exame há dor quando se faz pressão lateral através das articulações e os dedos estão separados um do outro pela inflamação. O tecido mole sob a articulação metatarsofalangiana migra e provoca a subluxação anterior e dorsal da articulação. Como resultado o peso do corpo repousa sobre a cabeça do metatarso. A subluxação da articulação metatarsofalangiana é palpável, pode desenvolver calos muito sensíveis com aparecimento de deformação nos dedos do pé (dedos em garra). Desenvolve hálux valgo ou joanete no dedão e um pequeno joanete no quinto dedo. 

Joelhos
É comum o comprometimento precoce de um ou ambos os joelhos, a sinovite se observa como derrame. Algumas vezes podem se desenvolver cistos. Em fases posteriores é comum a perda  da força dos ligamentos laterais e cruzamento, nesse caso o paciente nota instabilidade do joelho. É acompanhado por atrofia do músculo quadríceps, o que aumenta a sua instabilidade. A dor é menor quando o joelho se encontra na posição flexionada. No início a radiografia mostra derrame, posteriormente perda do espaço articular e erosões da cartilagem articular nas margens. 

Coluna Cervical 
Na coluna vertebral cervical aparece sinovite articular. Pode aparecer uma grave lesão por subluxação cervical ao nível C1-C2 (atlanto-axial) da coluna vertebral. Os sintomas de mielopatia começam gradualmente e nem sempre acompanhados por dor cervical. O mais frequente é a dormência das mãos e ao exame físico, aparecimento de hiperreflexia (aumento do reflexo). Normalmente, um paciente com AR de longa data apresente hiporreflexia, como resultado da atrofia muscular, contraturas articulares e provável neuropatia periférica. Portanto, o achado de hiperreflexia deve alertar sobre a possibilidade de envolvimento cervical por AR. 
Outras articulações envolvidas na AR são as do quadril, tornozelos, cotovelos e ombros.

Laboratório 
É frequente a presença de anemia com as características de uma doença crônica, bem como a presença de trombocitose e leucocitose. O VHS é geralmente alto acima de 30 mm / h. 
Fator reumatóide (FR) são auto-anticorpos, geralmente IgM, dirigido contra o fragmento Fc de IgG. Em 80% dos pacientes, o FR está presente, especialmente na fase inicial da doença. No entanto sua presença isolada não é diagnóstica, já que pode ser encontrado em outras doenças do tecido conjuntivo, em alguns pacientes com infecções bacterianas crônicas, fúngicas e parasitárias. 

Líquido sinovial: é inflamatório com aspecto turvo e de viscosidade diminuída, com presença principalmente de polimorfonucleares. 

Radiologia: osteoporose periarticular, edema de tecidos moles. Diminuição do espaço articular e erosões nas margens articulares.

Biópsia: por artroscópica ou por punção, pode-se observar caracteristicamente o pannus. É utilizada em casos em que a apresentação do RA é uma monoartrite crônica. 

voltar topo
  • impressão
  • enviar por e-mail
Aviso Legal:

1. As informações contidas neste site tem caráter meramente educativo e não substituem as opiniões, condutas e discussões estabelecidas entre médico e paciente.

2. Todas as decisões relacionadas ao tratamento devem ser tomadas com respaldo do médico responsável pelo acompanhamento clínico do paciente, pois é ele quem mais conhece as particularidades de cada paciente, tendo, portanto, melhores condições de opinar e prescrever a conduta mais adequada.

3. Os patrocinadores não têm nenhuma responsabilidade ou influência sobre o conteúdo do portal.