Osso fraturado não fica mais forte após a cura

Última atualização: 26/10/2010

Atualizado em 26/10/2010
 
Assim como os músculos, o osso humano cresce e se fortalece quando sob pressão, e fica mais fraco quando é pouco utilizado.
 
Esse conceito --de que os ossos se adaptam à pressão, ou à falta de-- é conhecido como Lei de Wolff. É o motivo pelo qual os astronautas voltam com densidade de ossos reduzida após flutuar na gravidade zero. Da mesma forma, explica por que estudos mostram que jogadores de tênis e esgrimistas desenvolvem maior massa óssea em seus braços e pernas dominantes.
 
Essa medida adaptável só vai até esse ponto. Apesar de um conceito errôneo, não existem provas de que um osso, depois de quebrado e curado, ficará mais forte do que antes.
 
Quando um osso é fraturado, ele inicia seu processo de cura formando uma calosidade no local da fratura, onde é depositado cálcio para ajudar na reconstrução, explica Terry D. Amaral, diretor de cirurgia ortopédica pediátrica do Centro Médico Montefiore, em Nova York. Na maior parte dos casos, um gesso é aplicado para proteger o local fraturado.
 
Como não há peso ou pressão sobre o membro, porém, ele se torna mais fraco exceto pelo local da calosidade, onde o cálcio está sendo depositado.
 
"A região em processo de recuperação passa por uma rápida mineralização, mas como você não pode usá-la, o restante do osso é desmineralizado", disse Amaral.
 
Como resultado, pode haver um breve período no processo de cura onde o local da fratura fica mais forte que o osso à sua volta. Eventualmente, toda a região atinge uma resistência igual, e o local da fratura não tem uma probabilidade maior e nem menor de quebrar novamente. Amaral afirma que, em estudos onde ossos curados foram submetidos a forças de torção e flexão, eles quebraram em qualquer lugar, incluindo o local da fratura.
 
"Não se pode afirmar que os ossos curados fiquem mais fortes ou mais fracos que o restante dos ossos", disse ele.
 
A conclusão: ossos curados não ficam mais fortes do que eram antes da fratura.
 
 
Fonte: Folha Online
 
 
 

voltar topo
  • impressão
  • enviar por e-mail
Aviso Legal:

1. As informações contidas neste site tem caráter meramente educativo e não substituem as opiniões, condutas e discussões estabelecidas entre médico e paciente.

2. Todas as decisões relacionadas ao tratamento devem ser tomadas com respaldo do médico responsável pelo acompanhamento clínico do paciente, pois é ele quem mais conhece as particularidades de cada paciente, tendo, portanto, melhores condições de opinar e prescrever a conduta mais adequada.

3. Os patrocinadores não têm nenhuma responsabilidade ou influência sobre o conteúdo do portal.